Celebrando Deus

Uma Visão Quadrimensional Do Amor De Deus

24 de Abril de 2014
“O amor de DEUS é o amor que está fora de toda a computação”

Nos textos de Efésios 3.18,19, temos uma descrição de quatro dimensões. Olhando de maneira hermenêutica, sabemos que aqui nesses textos, não temos uma afirmação sobre o amor de Deus. Porém, quero fazer uma exposição acerca da visão quadridimensional do amor de Deus.

O amor de DEUS é o amor que está fora de toda a computação, é o amor que nunca pode ser medido.

1.a largura deste amor

Vamos ver a largura deste amor – Ap 5.9: “e entoavam novo cântico, dizendo: Digno és de tomar o livro e de abrir-lhe os selos, porque foste morto e com o teu sangue compraste para DEUS os que procedem de toda tribo, língua, povo e nação”.

Se estudamos o livro de Apocalipse vemos que este livro se preocupa com a largura deste amor. Olhe outro texto nesse mesmo livro: “Depois destas coisas, vi, e eis grande multidão que ninguém podia enumerar, de todas as nações, tribos, povos e línguas, em pé diante do trono e diante do Cordeiro, vestidos de vestiduras brancas, com palmas nas mãos”. Quando estivermos na glória com o nosso SENHOR e Salvador JESUS CRISTO estaremos encantados diante de tudo isso, quando compreendermos o que o amor de DEUS em CRISTO realizou, apesar do pecado, do inferno e do diabo.

2.o comprimento do amor de DEUS

Essas medidas visam nos encorajar, e assim, desenvolver a nossa salvação no temor de CRISTO. O comprimento dá-nos a idéia do caráter infindável do amor de CRISTO.

Olhe Jr 31.3: “…Com amor eterno eu te amei; por isso, com benignidade te atraí”.  Aqui somos levados a considerar o amor de CRISTO, o amor que é eterno. Esta é a dimensão deste amor, de eternidade a eternidade.

3.a profundidade do amor de DEUS

Para entendermos essa profundidade temos que ler Filipenses 2.5-9: “Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em CRISTO JESUS, pois ele, subsistindo em forma de DEUS, não julgou como usurpação o ser igual a DEUS;  antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana,  a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à morte e morte de cruz.  Pelo que também DEUS o exaltou sobremaneira e lhe deu o Nome que está acima de todo nome”.

Outro texto que nos ajuda a entender essa profundidade do amor de DEUS é Efésios 4.8-10: “Por isso, diz: Quando ele subiu às alturas, levou cativo o cativeiro e concedeu dons aos homens. Ora, que quer dizer subiu, senão que também havia descido às regiões inferiores da terra? Aquele que desceu é também o mesmo que subiu acima de todos os céus, para encher todas as coisas”.

4.a altura do amor de DEUS

Uma coisa muito especial quanto a nossa salvação é que o desejo de DEUS não é apenas perdoar os nossos pecados, mas veja no evangelho de João capítulo 17 e o versículo 24: “Pai, a minha vontade é que onde eu estou, estejam também comigo os que me deste, para que vejam a minha glória que me conferiste, porque me amaste antes da fundação do mundo”. Veja, que neste texto o SENHOR JESUS dá ênfase a Sua glória. Ele fala da era vindoura não em relação aos nossos pecados, mas, em relação a Sua glória. O SENHOR JESUS não se satisfaz em apenas perdoar os nossos pecados, mas que estejamos com Ele na Sua glória. Há um outro texto muito interessante para entendermos a altura do amor de DEUS, que é Filipenses 3.20,21: “Pois a nossa pátria está nos céus, de onde também aguardamos o Salvador, o SENHOR JESUS CRISTO, o qual transformará o nosso corpo de humilhação, para ser igual ao corpo da sua glória, segundo a eficácia do poder que ele tem de até subordinar a si todas as coisas”. Aqui, podemos ver que a nossa salvação não é apenas no aspecto espiritual; esse texto diz que O SENHOR JESUS salvará os nossos corpos. Ele prometeu redimir-nos completamente; nós sabemos que quando Ele se manifestar em glória para arrebatar os vencedores, nossos corpos serão transformados em corpos incorruptível como o de CRISTO em Sua glória.

Quero ainda, destacar mais um texto que está em I João 3.1,2: “Vede que grande amor nos tem concedido o Pai, a ponto de sermos chamados filhos de DEUS; e, de fato, somos filhos de DEUS. Por essa razão, o mundo não nos conhece, porquanto não o conheceu a ele mesmo. Amados, agora, somos filhos de DEUS, e ainda não se manifestou o que haveremos de ser. Sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele, porque haveremos de vê-lo como ele é”.Quem ama deseja que o objetivo do seu amor participe de todos os seus privilégios, bênçãos e alegrias. A altura do amor de CRISTO é que um dia estaremos para sempre com o SENHOR (I Ts 4.17).

Olhe o que Paulo diz aos Corintios: “mas, como está escrito: Nem olhos viram, nem ouvidos ouviram, nem jamais penetrou em coração humano o que Deus tem preparado para aqueles que o amam” (I Co 2.9).